1.png
detalhe1.jpg

Comunicados de Imprensa

20/dez/2016 14:53:31

IPAM: Pode uma série mudar a alimentação das crianças?


Análise revela que vídeo sobre alimentação saudável altera a atitude face aos doces mas não o comportamento das crianças com IMC mais elevado  

Lisboa, 23 de maio de 2016 - A obesidade infantil é uma das problemáticas mais debatidas em Portugal. A pensar nesta questão, e para assinalar o Dia Mundial da Criança, o IPAM desenvolveu um estudo de caso, com base na série Nutri Ventures – lançada em 2009, e transmitida em 23 países, incluindo Portugal – revelando como o entretenimento pode ser visto como uma solução para combater o excesso de peso, problema que afeta uma em cada três crianças portuguesas. Mas, podem as crianças mudar o comportamento alimentar através da visualização de um vídeo educativo?.

Durante 10 minutos, um grupo de crianças, com idades compreendidas entre os quatro e os 11 anos de idade – auscultadas no estudo de caso do IPAM – visualizaram um episódio resumido da série Nutri Ventures, que revela como o açúcar em excesso é prejudicial para a saúde, apontando caminhos mais saudáveis no campo da alimentação. No final, as crianças responderam a um questionário. Paralelamente, o IPAM entregou o mesmo questionário a outro grupo de crianças que não viram o episódio.

Os resultados revelam que, apesar de, no geral, todas as crianças terem gostado do vídeo, as mais afetadas pela visualização são aquelas com Índice de Massa Corporal (IMC) normal ou baixo, tendo optado no questionário por alimentos mais saudáveis, revelando, inclusive, tendência para gostar mais de fruta do que aqueles que não viram o vídeo. Já nas crianças com IMC mais elevado – ou seja, com excesso de peso ou obesidade –, a visualização do vídeo não influencia o seu comportamento alimentar. Refira-se que as conclusões lançam um alerta sobre o papel da educação em casa e na escola para a promoção de uma alimentação mais saudável.

Alerta vermelho para a obesidade infantil

De acordo com a World Health Organization (WHO), cerca de 42 milhões de crianças tinham, em 2013, sobrepeso ou eram obesas. Se a tendência continuar a crescer, mais de 70 milhões terão, em 2025, sobrepeso ou serão, mesmo, obesas. Partindo do pressuposto de que as crianças já possuem um conhecimento de nutrição adequados – através da educação escolar –, o caso de estudo alerta para a importância de existir um maior encorajamento para combater atitudes e comportamentos pouco saudáveis nas crianças. Um dos mais importantes está relacionado com o consumo de doces, uma vez que o estudo mostra que, apesar das crianças com IMC mais elevado revelarem gostar mais de doces do que as que têm um IMC normal, todas as crianças – as que viram e as que não visualizaram o vídeo – revelam gostar muito de doces, independentemente da idade e do sexo.

AGENDA

Conheça os próximos eventos do IPAM. 

LISBOA  PORTO

 

FACEBOOK FEED